Noticias em eLiteracias

🔒
✇ http://www.educare.pt/noticias/rss

O isolamento social e os impactos na saúde mental

20 de Outubro de 2020, 23:00
Estudo da Universidade de Coimbra está a avaliar consequências do isolamento social em adultos e idosos. Investigadores querem identificar possíveis alterações na capacidade funcional, na memória, no estado cognitivo, na qualidade de vida.
✇ Open Culture

Watch Cornel West’s Course on W.E.B. Du Bois, the Great 20th Century Public Intellectual

Por Josh Jones — 21 de Outubro de 2020, 08:00

A giant of 20th century scholarship, W.E.B. Du Bois’ career spanned six decades, two World Wars, and several waves of civil rights and decolonial movements; he saw the twentieth century with more clarity than perhaps anyone of his generation through the lens of “double consciousness”;  he wrote presciently about geopolitics, political economy, institutional racism, imperialism, and the culture and history of both black and white Americans; we find in nearly all of his work piercing observations that seem to look directly at our present conditions, while analyzing the conditions of his time with radical rigor.

“An activist and a journalist, a historian and a sociologist, a novelist, a critic, and a philosopher,” notes the Stanford Encyclopedia of Philosophy, Du Bois “examined the race problem in its many aspects more profoundly, extensively, and subtly” than “anyone, at any time.” And there is no one more fluent in the vernaculars, literatures, and philosophies Du Bois mastered than Cornel West, who lays out for us what this means:

Du Bois, like Plato, like Shakespeare, like Toni Morrison, like Thomas Pynchon, like Virginia Woolf…. What do they do? They push you against a wall: heart, mind, soul. Structures and institutions, vicious forms of subordination, but also joyful and heroic forms of critique and resistance.

West begins his course on Du Bois—delivered in the summer of 2017 at Dartmouth—with this description (things get going in the first lecture at 3:15 after the course intro), which gestures toward the comparative, “call and response,” discussion to come. All nine lectures from “The Historical Philosophy of W.E.B. Du Bois” (plus an additional public talk West delivered at the university) are available at Dartmouth’s Department of English and Creative Writing site, as well as this YouTube playlist.

The course follows the movement of Du Bois’ complex historical philosophy and pioneering use of scholarly autobiography—(what West calls the “cultivation” of a “critical self”)—through a number of themes, from “Du Bois and the Catastrophic 20th Century” to, in the final lecture, “Revolution, Race, and American Empire.” It begins with 1903’s The Souls of Black Folk, in which Du Bois first wrote of double consciousness and penned the famous line, “The problem of the twentieth century is the problem of the color-line.”

West puts close readings of that seminal work next to “subsequent essays in [Du Bois’] magisterial corpus, especially his classic autobiography Dusk of Dawn (1940),” the course description reads. The latter text is not only a Bildung, a “spiritual autobiography,” Du Bois called it, but also a critical analysis of science and empire, whiteness, propaganda, world war, revolution, and a conceptualization of race that sees the idea’s arbitrary illogic, in the “continuous change in the proofs and arguments advanced.” These ideas became formative for anti-colonial, anti-imperial, and Pan-African movements.

Du Bois’ first formed his “radical cosmopolitanism,” as Gunter Lenz writes in The Journal of Transnational American Studies, during his studies in Germany, where he arrived in 1892 and found himself, he wrote, “on the outside of the American world, looking in.” He returned to Germany over the decades and, in a 1936 visit, was one of the few public intellectuals who predicted a “world war on Jews” and “all non-Nordic races.” But Du Bois not only confronted the genocidal wars and helped lead the liberatory movements of the 20th century; he also, with uncanny perspicacity, both anticipated and shaped the struggles of the 21st. Access West’s full lecture course here.

West’s course, “The Historical Philosophy of W.E.B. Du Bois,” will be added to our collection, 1,500 Free Online Courses from Top Universities.

Related Content: 

W.E.B. Du Bois Creates Revolutionary, Artistic Data Visualizations Showing the Economic Plight of African-Americans (1900)

W.E.B. Du Bois Devastates Apologists for Confederate Monuments and Robert E. Lee (1931)

Daniel Dennett and Cornel West Decode the Philosophy of The Matrix

Josh Jones is a writer and musician based in Durham, NC. Follow him at @jdmagness

Watch Cornel West’s Course on W.E.B. Du Bois, the Great 20th Century Public Intellectual is a post from: Open Culture. Follow us on Facebook, Twitter, and Google Plus, or get our Daily Email. And don't miss our big collections of Free Online Courses, Free Online Movies, Free eBooksFree Audio Books, Free Foreign Language Lessons, and MOOCs.

✇ AYUDA PARA MAESTROS

6 cortos para fomentar la lectura

Por Manu Velasco — 20 de Outubro de 2020, 22:00


1. Flying books

2. Book

3. Me gusta leer

4. Leer es...

5. Libros

6. Lectura mágica 


✇ IFT

InfoTecarios Webinar: De la Infoxicación a la Alfabetización Informacional

Por Firmas Invitadas — 19 de Outubro de 2020, 22:25
Te invitamos a una nueva edición de Infotecarios Webinar el martes 20 de octubre, en esta edición con el seminario: De la Infoxicación a la Alfabetización Informacional Impartido por el Lic. Enrique Antonio Torrealba Torres Inscripciones en Eventbrite  El objetivo del Webinar sera: Dar una visión general de los elementos que transforman las Bibliotecas y el ejercicio de la profesión... Leer más »
✇ Open Culture

Phone Relief: The Ultimate Hands-Free Headset (1993)

Por OC — 20 de Outubro de 2020, 18:03

We have featured some great acts of imagination when it comes to telephone technology–from the worlds’ first mobile phone shown in this 1922 British Pathé newsreel, to when Fritz Lang “invented” the video phone in Metropolis in 1927. “Phone Relief,” the ultimate hands-free headset marketed in 1993, will never qualify as a great act of imagination. But it does make for a great kitschy ad.

via @moodvintage

Related Content:

The World’s First Mobile Phone Shown in 1922 Vintage Film

When We All Have Pocket Telephones (1923)

How to Use the Rotary Dial Phone: A Primer from 1927

Phone Relief: The Ultimate Hands-Free Headset (1993) is a post from: Open Culture. Follow us on Facebook, Twitter, and Google Plus, or get our Daily Email. And don't miss our big collections of Free Online Courses, Free Online Movies, Free eBooksFree Audio Books, Free Foreign Language Lessons, and MOOCs.

✇ Open Culture

How to De-Stress with Niksen, the Dutch Art of Doing Nothing

Por Josh Jones — 20 de Outubro de 2020, 18:45

Stressed out? Overwhelmed? If you said no, I’d worry whether you have a functioning nervous system. For those of us who don’t get out much now because of the pandemic, even staying home has become a source of stress. We’re isolated or being driven up the wall by beloved family members. We’re grasping at every stress-relief tool we can find. For those who have to leave for work, especially in medicine, reading the headlines before masking up for a shift must make for higher than average blood pressure, at least. Every major health agency has issued mental health guidelines for coping during the coronavirus. Not many governments, however, are forthcoming with funding for mental health support. That’s not even to mention, well…. name your super-colliding global crises….

So, we meditate, or squirm in our seats and hate every second of trying to meditate. Maybe it’s not for everyone. Even as a longtime meditator, I wouldn’t go around proclaiming the practice a cure-all. There are hundreds of traditions around the world that can bring people into a state of calm relaxation and push worries into the background. For reasons of cold, and maybe generous parental leave, certain Northern European countries have turned staying home into a formal tradition. There’s IKEA, of course (not the assembly part, but the shopping and sitting in a newly assembled IKEA chair with satisfaction part). Then there’s lagom, the Swedish practice of “approaching life with an ‘everything in moderation,’ mindset” as Sophia Gottfried writes at TIME.

Hygge, “the Danish concept that made staying in and getting cozy cool” may not be a path to greater awareness, but it can make sheltering in place much less upsetting. A few years back, it was “Move Over, Marie Kondo: Make Room for the Hygge Hordes,” in The New York Times’ winter fashion section. As winter approaches once more (and I hate to tell you, but it’s probably gonna be a stressful one), Hygge is making way in stress relief circles for niksen, a Dutch word that “literally means to do nothing, to be idle or doing something without any use,” says Carolien Hamming, managing director of a Dutch destressing center, CSR Centrum.

Niksen is not doomscrolling through social media or streaming whole seasons of shows. Niksen is intentional purposelessness, the opposite of distraction, like meditation but without the postures and instructions and classes and retreats and so forth. Anyone can do it, though it might be harder than it looks. Gottfried quotes Ruut Veenhoven, sociologist and professor at Erasmus University Rotterdam, who says niksen can be as simple as “sitting in a chair or looking out the window,” just letting your mind wander. If your mind wanders to unsettling places, you can try an absorbing, repetitive task to keep it busy. “We should have moments of relaxation, and relaxation can be combined with easy, semi-automatic activity, such as knitting.”

“One aspect of the ‘art of living,’” says Veenhoven, “is to find out what ways of relaxing fit you best.” If you’re thinking you might have found yours in niksen, you can get started right away, even if you aren’t at home. “You can niks in a café, too,” says Olga Mecking—author of Niksen: Embracing the Dutch Art of Doing Nothing—when cafes are safe to niks in. (You can also use “niks” as a verb.) It may not strictly be a mindfulness practice like the many descended from Buddhism, but it is mindfulness adjacent, Nicole Spector points out at NBC News. Niks-ing (?) can soothe burnout by giving our brain time to process the massive amounts of information we take in every day, “which in turn can boost one’s creativity,” Gottfried writes, by making space for new ideas. Or as Brut America, producer of the short niksen explainer above, writes, “doing nothing isn’t lazy—it’s an art.”

Related Content:

How Mindfulness Makes Us Happier & Better Able to Meet Life’s Challenges: Two Animated Primers Explain

Why You Do Your Best Thinking In The Shower: Creativity & the “Incubation Period”

How Information Overload Robs Us of Our Creativity: What the Scientific Research Shows

Josh Jones is a writer and musician based in Durham, NC. Follow him at @jdmagness

How to De-Stress with Niksen, the Dutch Art of Doing Nothing is a post from: Open Culture. Follow us on Facebook, Twitter, and Google Plus, or get our Daily Email. And don't miss our big collections of Free Online Courses, Free Online Movies, Free eBooksFree Audio Books, Free Foreign Language Lessons, and MOOCs.

✇ Open Culture

Take a Digital Drive Along Ed Ruscha’s Sunset Boulevard, the Famous Strip That the Artist Photographed from 1965 to 2007

Por Colin Marshall — 20 de Outubro de 2020, 14:00

Ed Ruscha has lived nearly 65 years in Los Angeles, but he insists that he has no particular fascination with the place. Not everyone believes him: is disinterest among the many possible feelings that could motivate a painting like The Los Angeles County Museum on Fire? Nevertheless, the plainspoken Oklahoma-born artist has long stuck to his story, perhaps in order to let his often cryptic work speak for itself. Originally trained in commercial art, Ruscha has painted, printed, drawn, and taken photographs, the most celebrated fruit of that last pursuit being 1966’s Every Building on the Sunset Strip, a book that stitches his countless photographs of that famous boulevard — both sides of it — onto one long, continuous page.

Whatever you think of such a project, you can’t accuse it of a mismatch between form and substance. Nor can you call it a cynical one-off: between 1967 and 2007, Ruscha drove Sunset Boulevard with his camera no fewer than twelve times in order to photograph most or all of its buildings.

These include gas stations (an architectural form to which Ruscha has made the subject of its own photo book as well as one of his most famous paintings), drugstores, appliance dealers, Central American restaurants, karate schools, travel agencies, car washes, Modernist office towers, and two of the most characteristic structures of Los Angeles: low-rise, kitschily named “dingbat” apartment blocks and L-shaped “La Mancha” strip malls.

The mix of the built environment varies greatly, of course, depending on where you choose to go on this 22-mile-long boulevard, only a short stretch of which constitutes the “Sunset Strip.” It also depends on when you choose to go: not which time of day, but which era, a choice put at your fingertips by the Getty Research Institute’s Ed Ruscha Streets of Los Angeles Project, and specifically its interactive feature 12 Sunsets. In it you can use your left and right arrow keys to “drive” east or west (in your choice between a van, a VW Beetle, or Ruscha’s own trusty Datsun pickup), and your up and down button to flip between the year of the photo shoots that make up the boulevard around you.

Many longtime Angelenos (or enthusiasts of Los Angeles culture) will motor straight to the intersection with Horn Avenue, location of the much-mythologized Sunset Strip Tower Records from which the very American musical zeitgeist once seemed to emanate. The Sacramento-founded store was actually a latecomer to Los Angeles compared to Ruscha himself, and the building first appears in his third photo shoot, of 1973. The next year the ever-changing posters on its exterior walls includes Billy Joel’s Piano Man. About a decade later appear the one-hit likes of Loverboy, and in the twilight of the 1990s the street elevation touts the Beastie Boys and Rob Zombie. In 2007, Tower’s signature red and yellow are all that remain, the chain itself having gone under (at least outside Japan) the year before.

12 Sunsets’ interface provides two different methods to get straight from one point to another: you can either type a specific place name into the “location search” box on the upper right, or click the map icon on the middle left to open up the line of the whole street clickable anywhere from downtown Los Angeles to the Pacific Ocean. This is a much easier way of making your way along Sunset Boulevard than actually driving it, even in the comparatively nonexistent traffic of 1965. Nevertheless, Ruscha continues to photographically document it and other Los Angeles streets, using the very same method he did 55 years ago. The buildings keep changing, but the city has never stopped exuding its characteristic normality so intensely as to become eccentricity (and vice versa). What artist worthy of the title wouldn’t be fascinated?

Explore the Getty Research Institute’s Ed Ruscha Streets of Los Angeles Project here.

via Austin Kleon

Related Content:

Artist Ed Ruscha Reads From Jack Kerouac’s On the Road in a Short Film Celebrating His 1966 Photos of the Sunset Strip

Roy Lichtenstein and Andy Warhol Demystify Their Pop Art in Vintage 1966 Film

A Brief History of John Baldessari, Narrated by Tom Waits

Take a Drive Through 1940s, 50s & 60s Los Angeles with Vintage Through-the-Car-Window Films

Watch Randy Newman’s Tour of Los Angeles’ Sunset Boulevard, and You’ll Love L.A. Too

Based in Seoul, Colin Marshall writes and broadcasts on cities, language, and culture. His projects include the Substack newsletter Books on Cities, the book The Stateless City: a Walk through 21st-Century Los Angeles and the video series The City in Cinema. Follow him on Twitter at @colinmarshall, on Facebook, or on Instagram.

Take a Digital Drive Along Ed Ruscha’s Sunset Boulevard, the Famous Strip That the Artist Photographed from 1965 to 2007 is a post from: Open Culture. Follow us on Facebook, Twitter, and Google Plus, or get our Daily Email. And don't miss our big collections of Free Online Courses, Free Online Movies, Free eBooksFree Audio Books, Free Foreign Language Lessons, and MOOCs.

✇ Open Culture

The Dorothea Lange Digital Archive: Explore 600+ Photographs by the Influential Photographer (Plus Negatives, Contact Sheets & More)

Por Josh Jones — 20 de Outubro de 2020, 08:00

Shortly before her death in 1965, one of the New Deal’s most famous photographers, Dorothea Lange, spoke at UC Berkeley. “Someone showed me photos of migrant farmworkers they had just taken,” she said. “They look just like what I made in the ‘30s.” We can see the same conditions Lange documented almost 60 years later, from the poverty of the Depression to the internment and demonization of immigrants. Only the clothing and the architecture has changed. “Her work could not be more relevant to what’s happening today,” says Lange biographer Linda Gordon.

As an American, it can feel as if the country is stuck in arrested development, unable to imagine a future that isn’t a retread of the past. Yet activists, historians, and therapists seem to agree: in order to move forward, we have to go back—to an honest accounting of how Americans have suffered and suffered unequally from economic hardship and oppression. These were Lange’s great themes: poverty and inequality, and she “believed in the power of photography to make change,” says Erin O’Toole, associate curator of photography at the San Francisco Museum of Modern Art

Among famous Bay Area colleagues like Ansel Adams and Edward Weston, Lange is unique in that “her archive and all that material,” says O’Toole, “stayed in the Bay Area,” held in the possession of the Oakland Museum of California. Now, more than 600 high-resolution scans are available online at the OMCA’s new Dorothea Lange Digital Archive, which also “contains contact sheets, film negatives and links related to materials as additional resources for the many curators, scholars and general audiences accessing Lange’s body of work,” Emily Mendel writes at The Oaklandside

The digital archive will likely expand in coming years as the digitization process—funded by a grant from the Henry Luce Foundation—continues. The physical archive is vast, including some “40,000 negatives and 6,000 prints, plus other memorabilia.” These were inaccessible to anyone who couldn’t make the “huge trek to OMCA,” Lange’s goddaughter Elizabeth Partridge—author of Dorothea Lange: Grab a Hunk of Lightning (2013)—remarks. The project is “the most important thing,” says Partridge, “that has happened to her work since it was given to the museum decades ago” by her second husband Paul Taylor. 

The online archive-slash-exhibit divides Lange’s work in four sections: “The Depression,” “World War II at Home,” “Post-War Projects,” and “Early Work/Personal Work.” The first of these contains some of her most famous photographs, including versions and adaptations of Migrant Mother, the posed portrait of Florence Thompson that “became a famous symbol of white motherhood” (though Thompson was Native American) and “moved many Americans to support relief efforts.” We can see how the iconic photo was taken up and used by the Cuban journal Bohemia, the Black Panther Party newspaper, and The Nation, who imagined Thompson in 2005 as a Walmart employee.

In the second category are Lange’s photographs of Japanese internment camps, unseen until relatively recently. “When she finally gave these photos to the Army who hired her,” Gordon notes, “they fired her and impounded the photos.” Lange’s skilled portraiture, her uncanny ability to humanize and universalize her subjects, could not suit the purposes of the U.S. military. “She used photography,” O’Toole says, “as a tool to uncover injustices, discrimination, to call attention to poverty, the destruction of the environment, immigration…. The protests that are happening today would be something she’d be photographing in the streets.”

Maybe in a digital age, when we are overwhelmed by visual stimuli, photography has lost much of the influence it once had. But Lange’s images still inspire equal amounts of compassion and curiosity. As Americans contend with the very same issues, we could do with a lot more of both. Enter the Dorothea Lange Digital Archive here

via Austin Kleon

Related Content: 

How Dorothea Lange Shot, Migrant Mother, Perhaps the Most Iconic Photo in American History

478 Dorothea Lange Photographs Poignantly Document the Internment of the Japanese During WWII

Yale Presents an Archive of 170,000 Photographs Documenting the Great Depression

Josh Jones is a writer and musician based in Durham, NC. Follow him at @jdmagness

The Dorothea Lange Digital Archive: Explore 600+ Photographs by the Influential Photographer (Plus Negatives, Contact Sheets & More) is a post from: Open Culture. Follow us on Facebook, Twitter, and Google Plus, or get our Daily Email. And don't miss our big collections of Free Online Courses, Free Online Movies, Free eBooksFree Audio Books, Free Foreign Language Lessons, and MOOCs.

✇ AYUDA PARA MAESTROS

6 cortos para fomentar la amistad

Por Manu Velasco — 19 de Outubro de 2020, 22:00



Aquí os dejo 6 cortos que pueden servir para fomentar la amistad en nuestras clases.

1. Oktapodi

2. Cambio de pilas

3. Monsterbox

4. Partly Cloudy

5. Lily

6. Embarked


✇ Olhar Digital :: Olhar Digital Geral

Facebook desenvolve novo sistema de tradução baseado em IA

19 de Outubro de 2020, 20:15

O Facebook criou um novo formato de inteligência artificial para tradução. Para quem não sabe, as traduções na plataforma passam do idioma nativo para o inglês, para somente depois serem passadas para outra língua. O novo sistema deve reduzir este caminho, tornando possível a tradução entre dois idiomas sem a necessidade de incluir o inglês neste processo.A rede social realiza aproximadamente 20 bilhões de traduções todos os dias apenas para o seu feed de notícias. Toda a ação é feita por meio de um conjunto de dados massivo e amplamente disponível para traduções para o inglês. Mas desta forma, perde-se precisão na versão geral e todo o procedimento fica mais complexo.ReproduçãoFacebook está lançando um novo método de tradução que utiliza de IA. Créditos: Alexandra Popova/ShutterstockPor isso, com o apelidado de M2M-100, o Facebook acredita ter desenvolvido o primeiro modelo de tradução automática multilíngue (MMT, na sigla em inglês). O sistema pode traduzir diretamente para frente e para trás entre um conjunto de 7,5 bilhões de frases em 100 idiomas. A equipe de pesquisa do app afirma que treinou um modelo de tradução universal com mais de 15 bilhões de parâmetros “que captura informações de idiomas relacionados e reflete um script mais diversificado de idiomas e morfologia”.MétodoPara que este sistema de tradução fosse possível, a plataforma coletou uma grande quantidade de dados disponíveis publicamente ao redor de todo o mundo utilizando de diversas técnicas. Angela Fan, pesquisadora associada do Facebook, explica que este trabalho já é em partes realizado cotidianamente pela empresa. “Muito disso é realmente baseado no trabalho que temos feito por muitos anos em pesquisas no Facebook, que são como todas as diferentes peças de Lego que juntamos para construir o sistema hoje”, afirmou Angela. De início, a empresa rastreou páginas em toda a web com o objetivo de coletar exemplos de textos. Os idiomas foram identificados com o FastText, que se resume a um sistema de classificação de texto que a própria rede social desenvolveu. “Basicamente, analisa alguns testes e tenta decidir em que idioma está escrito. Então, dividimos um monte de textos da web em todos esses idiomas diferentes e, em seguida, nosso objetivo é identificar frases que seriam traduções”, explicou a pesquisadora.Depois da coleta, a nova IA contou com o aprimoramento do sistema “Laser”.  “Ele lê frases, pega o texto e cria uma representação matemática desse texto, de forma que frases com o mesmo significado sejam mapeadas para o mesmo pensamento”, disse Angela. “Então, se eu tiver uma frase em chinês e francês, e eles estiverem dizendo a mesma coisa, eles vão se sobrepor - como um diagrama de Venn - a área de sobreposição é o tipo de texto que pensamos ser frases alinhadas”, destacou.ReproduçãoObjetivo é traduzir idiomas diretamente um para o outro sem que seja necessário passar pelo inglês. Créditos: Pathdoc/ShutterstockPara os idiomas que não possuem grande volume de textos disponíveis na internet, a equipe de pesquisadores do Facebook recorreu a dados monolíngues, que são apenas dados escritos em um único idioma. “Então, se meu objetivo é traduzir do chinês para o francês, mas por alguma razão, não obtenho boa qualidade, então vou tentar melhorar isso tomando textos de dados monolíngues em francês. E o que faço é treinar o reverso do sistema: vou do francês para o chinês. Pego todo o meu francês, por exemplo, da Wikipedia e traduzo para o chinês”, exemplificou a pesquisadora de IA. A partir deste momento, são gerados dados “sintéticos” pela máquina. “Então, criei este chinês sintético com base no meu francês retro traduzido e vou adicioná-lo novamente ao modelo avançado. Então, em vez de ir do chinês para o francês, eu tenho chinês mais meu chinês sintético suplementado, todos indo para o francês. E, porque isso adiciona um monte de novos exemplos - tanto do lado da entrada quanto do lado da saída - o modelo será muito mais forte”, ressaltou.Cabe ainda lembrar que a plataforma está lançando o conjunto de dados, o modelo, o treinamento e as configurações de avaliação como código aberto para que outros pesquisadores ajudem a impulsionar a tecnologia. “Eu pessoalmente identifico muitas áreas nas quais podemos precisar melhorar para as linguagens de recursos muito baixos. Para as línguas africanas, somos muito bons em suaíli e afrikaans, poderíamos melhorar muito em línguas como o zulu, e essas línguas têm desafios de pesquisa adicionais que precisamos enfrentar”, concluiu Angela.A empresa também planeja continuar desenvolvendo o sistema de inteligência artificial de forma independente e, eventualmente, aplicar o recurso em suas operações diárias.Via: Engadget
✇ Olhar Digital :: Olhar Digital Geral

Tesla estuda abrir fábrica de baterias na Indonésia

19 de Outubro de 2020, 20:10

A Tesla estuda abrir uma fábrica de baterias na Indonésia. O país detém uma das maiores reservas de níquel no mundo, mas recentemente proibiu a exportação do mineral bruto para incentivar empresas a processá-lo no país, gerando empregos.Em julho deste ano Elon Musk, CEO da empresa, aproveitou uma chamada com investidores para pedir às empresas de mineração para que produzam mais níquel, que é o principal metal nas baterias de Ions de Lítio usadas em veículos elétricos, como os da Tesla."Bem, eu só gostaria de enfatizar: quaisquer empresas de mineração por aí, por favor, extraiam mais níquel. OK? Onde quer que vocês estejam no mundo, por favor, garimpem mais níquel e não esperem que o preço volte para algum ponto alto que vocês experimentaram há cerca de cinco anos", disse o executivo."Busquem eficiência, obviamente, mineração de níquel ecologicamente correta em alto volume. A Tesla lhe dará um contrato gigante por um longo período de tempo, se você extrair níquel de maneira eficiente e ambientalmente sensível. Portanto, espero que esta mensagem chegue a todas as empresas de mineração. Por favor, extraiam níquel", completou.Segundo Agus Gumiwang, ministro da indústria da Indonésia, as discussões com a Tesla estão "em andamento" para a construção de uma fábrica em Batang, na região norte da província de Java CentralJá Luhut Binsar Pandjaitan, Ministro para Assuntos Marítimos e investimento, disse ter informado à Tesla que ela poderia ter acesso às reservas de níquel do país, se investisse na construção de uma fábrica de baterias."Eu disse: façam o investimento aqui, hoje, e daremos acesso às reservas. Queremos avançar na cadeia de produção e deixar de ser um exportador apenas de commodities. Isso irá transformar a Indonésia em um grande país na cadeia de suprimento global".No recente "dia das baterias", onde anunciou novidades no segmento, a Tesla afirmou que deseja aumentar sua capacidade de produção dos atuais 35 Gigawatts/hora para 200 Gigawatts/hora em 2023 e 3 Terawatts/hora em 2030.Fonte: Electrek
✇ Olhar Digital :: Olhar Digital Geral

Eleições EUA: criminosos se passam por McAfee para hackear candidatos

19 de Outubro de 2020, 20:06

Em junho, o Google informou que as campanhas eleitorais de Donald Trump e Joe Biden foram alvo de hackers apoiados pelo governo da China. Na última sexta-feira (16), a empresa usou seu blog oficial para detalhar os ataques, e revelou que os invasores se passavam pelo antivírus McAfee para instalar malware nos computadores das vítimas.O grupo de hackers chineses, denominado APT 31 (as letras constituem sigla em inglês para "ameaça persistente avançada") direcionou campanhas de phishing aos e-mails pessoais de funcionários envolvidos nas campanhas.  Os alvos eram solicitados a instalar uma cópia do McAfee armazenada no GitHub ou Dropbox. Embora o software fosse legítimo, a ação instalava códigos maliciosos silenciosamente em segundo plano. O ataque permitia que os hackers executassem comandos e transferissem arquivos das máquinas, dando acesso a informações sigilosas pertinentes às eleições."Cada elemento mal-intencionado desse ataque foi hospedado em serviços legítimos, o que dificultou sua detecção e rastreamento", escreveu o chefe do Grupo de Análise de Ameaças do Google, Shane Huntley.ReproduçãoHackers se passavam pelo antivírus McAfee para distribuir malware. Imagem: GoogleDe acordo com Huntley, nenhuma tentativa de invasão foi bem-sucedida. Ele destacou que o Google sempre alerta os usuários quando eles são vítimas de ataques apoiados por governos - nesse caso, da China. As descobertas foram compartilhadas com o FBI.       Huntley afirma ainda que a companhia está trabalhado "em estreita colaboração" com agências e outras empresas da indústria de tecnologia em ações de inteligência contra os ataques observados em todo o ecossistema. "Em geral, temos visto uma atenção cada vez maior em relação às ameaças representadas pelas APTs no contexto da eleição dos EUA", diz o post.Exceto por este episódio, o Google afirma que, até o momento, o Grupo de Análise de Ameaças não identificou nenhuma campanha de influência coordenada significativa tentando influenciar os eleitores dos EUA em suas plataformas.Via: Google 
✇ Olhar Digital :: Olhar Digital Geral

Instagram passa por instabilidade e fica indisponível

19 de Outubro de 2020, 20:05

Nesta segunda-feira (19), o Instagram passa por problemas de acesso. Usuários relatam que a rede social simplesmente não era capaz de exibir as imagens ou carregar o conteúdo corretamente.O problema é generalizado, como mostra o site Down Detector, que reconhece os momentos em que essas falhas acontecem graças ao forte fluxo de usuários pesquisando se um serviço está fora do ar. O pico de reclamações acontece a partir das 17h no horário de Brasília.ReproduçãoO mapa de reclamações indica que a pane é internacional, com as queixas concentradas na Europa Ocidental e Américas. Nas outras regiões, já é madrugada e muitos estão dormindo, o que explica o baixo volume de queixas.ReproduçãoDe fato, uma pesquisa rápida no Twitter mostra que o problema foi generalizado, com vários usuários reclamando que o Instagram está indisponível.
✇ Wilder

Semana Verde Europeia arranca em Lisboa com o lema “Um novo começo para as pessoas e a natureza”

Por Helena Geraldes — 19 de Outubro de 2020, 20:01

Este ano, a Semana Verde Europeia (19 a 22 de Outubro) é organizada por Lisboa, Capital Verde Europeia 2020. O lema é “Um novo começo para as pessoas e a natureza”.

A sessão oficial de abertura da Semana Verde Europeia decorreu durante o dia de hoje no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. O evento decorre, a partir de amanhã e até quinta-feira, de forma virtual, com mais de 30 debates online.

A Semana Verde Europeia, promovida anualmente pela União Europeia, é este ano organizada por Lisboa, a cidade distinguida com a galardão Capital Verde Europeia 2020.

“Este ano queremos salientar a importância de repensar a nossa relação com a natureza e o contributo que a biodiversidade pode ter para a sociedade e economia”, segundo os organizadores do evento.

“Nunca como agora houve maior urgência em debater a natureza e a biodiversidade. Ambas são essenciais à vida na Terra. Precisamos proteger a natureza para resolver as alterações climáticas, travar a perda de biodiversidade e proteger as pessoas de pandemias devastadoras.” 

Na sessão oficial de abertura da Semana Verde Europeia, o comissário europeu para o Ambiente, Oceanos e Pescas, Virginijus Sinkevičius, sublinhou que “a natureza é a nossa rede de segurança”.

“A natureza está a pedir-nos para travarmos a perda de biodiversidade e reverter os danos que lhe estamos a causar”, acrescentou o comissário europeu. 

Hoje, a Agência Europeia do Ambiente publicou um relatório, segundo o qual 63% das espécies e 81% dos habitats da Europa estão em declínio.

Elisa Ferreira, a comissária Europeia para a Coesão e Reformas, disse na sessão que o lema da Semana Verde Europeia, “Um novo começo para as pessoas e a natureza”, é particularmente relevante e argumentou que “mesmo os mais pequenos gestos do dia-a-dia” dependem “de uma biodiversidade ecológica, noticiou a Agência Lusa. 

A sessão de abertura da Semana Verde Europeia contou ainda com os discursos do administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, Carlos Moedas, do comissário Europeu para o Ambiente, Oceanos e Pescas, Virginijus Sinkevičius, do ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Matos Fernandes, e do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina.

“O combate às alterações climáticas já era antes da pandemia o principal desafio com que a humanidade se confrontava. Já era e não deixou de ser. E a pandemia, do ponto de vista estrutural, reforça essa mesma prioridade e veio mostrar-nos de forma ainda mais clara a importância desta agenda verde”, defendeu o chefe do executivo municipal, citado pela Agência Lusa. 

“Nós, humanos, hoje sabemos que não tivemos uma palavra a dizer sobre a forma como a pandemia nos invadiu o quotidiano, mas temos uma palavra muito importante a dizer sobre como é que coletivamente vamos sair deste período”, vincou.

Durante o dia, peritos debateram a biodiversidade no contexto mundial, em particular a Agenda 2030. Entre os temas do dia estiveram a adaptação da biodiversidade às alterações climáticas, como trazer a biodiversidade para as cidades, as novas economias verde e azul, o rewilding, a redução da desflorestação e a produção de alimentos amiga da biodiversidade.

Este ano, a Semana Verde Europeia vai ser um marco em direcção à COP15 (Conferência das Partes) da Cimeira da Biodiversidade que vai acontecer em Kunming, na China, em 2021. Nessa cimeira, os líderes mundiais vão adoptar um plano de acção a 10 anos para a biodiversidade, um novo acordo mundial.

O conteúdo Semana Verde Europeia arranca em Lisboa com o lema “Um novo começo para as pessoas e a natureza” aparece primeiro em Wilder.

✇ Olhar Digital :: Olhar Digital Geral

iPhone SE 2020 perde para o 12 mini em autonomia de bateria

19 de Outubro de 2020, 19:56

A autonomia de bateria é um dos quesitos de grande importância na hora de escolher um novo gadget. No caso dos novos iPhones, além de apresentarem uma série de melhorias relacionadas a desempenho de hardware e conectividade, a Maçã também prometeu entregar para o usuário final dispositivos que também prezam pela economia de energia.Apesar de não traduzir essa economia de consumo em números oficiais, é possível ter uma ideia do que mudou levando em conta a autonomia dos iPhones da geração anterior frente aos novos dispositivos da Maçã.Bateria extra no modelo mais básicoDe partida, o iPhone 12 mini com tela de 5,4 polegadas, possui autonomia estimada em cerca de 15 horas levando em conta o uso contínuo em reprodução de vídeo. Nesse caso, se comparado mesmo com o iPhone SE 2020, o modelo de entrada possui uma vantagem de cerca de duas horas extras no mesmo cenário de uso.Imagem: Apple/ReproduçãoiPhone 12 mini, modelo de entrada da nova geração, entrega durabilidade extra de bateria frente ao iPhone SE 2020. Imagem: Apple/DivulgaçãoSendo assim, tudo leva a crer que além das melhorias em termos de consumo, o dispositivo mais novo certamente deve contar com uma bateria mais potente do que a utilizada no SE 2020.No caso do iPhone 12, o "intermediário" da turma, temos cerca de 17 horas de autonomia. Se comparado diretamente com seu irmão mais velho, o iPhone 11, temos exatamente a mesma estimativa de tempo de uso contínuo. Ou seja, pode ser que, pelo menos no caso da bateria, a Apple tenha optado por aproveitar o mesmo componente do modelo anterior no dispositivo mais novo.Seguindo para os topos de gama, o mesmo cenário se repete com o iPhone 12 Pro. O dispositivo entrega para o usuário final a mesma autonomia de bateria do iPhone 11 Pro, ou seja, cerca de 18 horas longe da tomada.Quase 24 horas de autonomiaPor fim, considerando o mais poderoso da turma, o iPhone 12 Pro Max, a Maçã promete uma autonomia de aproximadamente 20 horas, quase um dia todo sem precisar recarregar. Novamente, pelo menos se levarmos em conta a reprodução de vídeo contínua, o irmão mais novo iguala a marca do iPhone 11 Pro Max.É importante ressaltar que a Apple ainda não divulgou nenhuma informação oficial sobre a capacidade das baterias utilizadas nos novos iPhones da companhia. Sendo assim, só será possível ter uma ideia de como os gadgets se comportam de verdade quando mais detalhes forem revelados.O que dá para ter certeza, é que os modelos mais recentes contam com tecnologia de carregamento rápida embarcada. Quando utilizados carregadores compatíveis de até 20W, a Apple promete 50% de carga extra em cerca de trinta minutos.Via: Macrumors
✇ Leitura - Google News

Depressão “Bárbara” já provocou 14 situações de inundação em Sintra - PÚBLICO

19 de Outubro de 2020, 19:54
Depressão “Bárbara” já provocou 14 situações de inundação em Sintra  PÚBLICO
✇ Olhar Digital :: Olhar Digital Geral

Facebook abre API do Messenger para permitir respostas automáticas no Instagram

19 de Outubro de 2020, 19:44

O Facebook anunciou a abertura de uma nova versão da API do Messenger, que deve dar suporte a bots e outras funções de respostas automatizadas do Instagram. Ainda em um teste beta fechado, a novidade é especificamente desenhada para marcas que usem o Instagram para conduzir negócios, como grandes varejistas online.Já não é de hoje que o Facebook ambiciona atrair grandes negócios para suas plataformas: o Messenger passou a aceitar chatbots para empreendedores em 2016, ao passo que, em 2018, o WhatsApp passou a adotar várias ferramentas do mesmo tipo. Com a chegada do Instagram neste rebanho, o Facebook agora está mais perto de criar todo um ecossistema amigável às grandes marcas.ReproduçãoCom nova API, Messenger e Instagram agora integram uniformemente também os chatbots e mensagens automatizadas de quem faz negócios pelas redes sociais. Imagem: Facebook/DivulgaçãoRecentemente, a empresa liderada por Mark Zuckerberg também vinha integrando o Messenger e as mensagens diretas do Instagram para usuários comuns. Embora as medidas sejam diferentes entre si, elas se relacionam e poderão render bons frutos no futuro.O Instagram já ultrapassou a marca de um bilhão de usuários desde que foi comprado pelo Facebook em 2012, tornando-se desde então uma plataforma importante para empresas que buscam gerar engajamento às suas marcas e oferecer seus produtos - hoje, o Instagram Stories é um dos principais vetores de anúncios de produtos na rede social. Ao integrar a API do Messenger para negócios, a rede passa a permitir o uso integrado com ferramentas de CRM (sigla em inglês para “Gerenciamento de Relacionamento com o Cliente”), facilitando o fluxo de trabalho.Por ora, a API do Messenger integrada ao Instagram está em teste fechado para convidados. Entre as marcas que já contam com a novidade, estão a rede de vestuário e acessórios esportivos Adidas, a magazine multinacional de maquiagens Sephora e a Michael Kors, conhecida por suas bolsas e acessórios de luxo. Ainda não há informação de quando a API estará aberta para todos.Fonte: Venture Beat
✇ Exposições - Google News

Iniciativa Liberal questiona Governo sobre encerramento de exposição fotográfica em Macau - RTP

19 de Outubro de 2020, 19:37
Iniciativa Liberal questiona Governo sobre encerramento de exposição fotográfica em Macau  RTP
✇ Artes - Google News

Exposição de arte em outdoors chega a Florianópolis - OCP News

19 de Outubro de 2020, 19:32
Exposição de arte em outdoors chega a Florianópolis  OCP News
✇ Leitura - Google News

Depen-PR lança livro em parceria com a Biblioteca Pública - Agência Estadual de Notícias do Estado do Paraná

19 de Outubro de 2020, 19:30
Depen-PR lança livro em parceria com a Biblioteca Pública  Agência Estadual de Notícias do Estado do Paraná
✇ Olhar Digital :: Olhar Digital Geral

Nintendo exige remoção de jogo criado por fãs da série 'Zelda'

19 de Outubro de 2020, 19:27

A Nintendo processou e exigiu a retirada do ar o jogo 'Zelda: The Missing Link', uma produção de fãs da série, que conectava histórias de dois dos mais famosos jogos da saga. Os arquivos necessários para jogar o game estavam disponíveis no repositório Github.Produzido por um grupo sem ligação oficial à Nintendo, o jogo conectava as histórias de 'Ocarina of Time' e 'Majora's Mask', de 1998 e 2000, respectivamente. O argumento dos desenvolvedores é que existe uma lacuna entre as duas histórias, e que os fãs mereciam uma produção que cobrisse o espaço de tempo que não possui um jogo oficial.Assim surgiu 'The Missing Link', que conta uma história alternativa deste período. O jogo se tornou rapidamente um sucesso de crítica e também entre os fãs. No entanto, isso não impediu que a Nintendo se sentisse prejudicada pela produção.ReproduçãoO jogo possui versões para diferentes consoles da Nintendo. Imagem: Reprodução/TorrentFreakO departamento jurídico da empresa agiu rapidamente para retirar o jogo do ar, alegando que ele infringe propriedades intelectuais da empresa. “As obras protegidas por direitos autorais são os videogames da franquia de videogame The Legend of Zelda da Nintendo, incluindo, sem limitação, as obras audiovisuais, enredos, personagens e imagens em The Legend of Zelda: Ocarina of Time (US Copyright Reg. No. PA0000901848), The Legend of Zelda: Majora's Mask (US Copyright Reg. No. PA0001940271), e outros”, alegou a empresa oficialmente.A argumentação oficial classificou a produção dos fãs como um uso indevido de material protegido por direitos autorais. “A Nintendo revisou o material relatado e não acredita que ele se qualifique como um uso justo do trabalho protegido por direitos autorais da Nintendo.”, afirmou.Caça aos arquivosOs arquivos do jogo, publicados originalmente no Github por seus produtores, não estão mais disponíveis. Agora, a página que abrigava os links para download foi retirada do ar, por conter "conteúdo protegido por direitos autorais". No entanto, erradicar o jogo da web pode ser um trabalho difícil para a Nintendo: ainda é possível encontrar os arquivos do jogo em diversos outros locais da internet.Fonte: TorrentFreak
✇ Educação - Google News

Bolsonaro quer acabar com reajuste real de professor da educação básica - Sul21

19 de Outubro de 2020, 19:24
Bolsonaro quer acabar com reajuste real de professor da educação básica  Sul21
✇ Educação - Google News

Coronavírus em SC: Plano de Contingência da Educação catarinense é destaque entre os estados brasileiros - Jornal da Fronteira

19 de Outubro de 2020, 19:21
Coronavírus em SC: Plano de Contingência da Educação catarinense é destaque entre os estados brasileiros  Jornal da Fronteira
✇ Olhar Digital :: Olhar Digital Geral

Conheça os golpes mais comuns aplicados no WhatsApp e saiba como se proteger

19 de Outubro de 2020, 19:20

Com a evolução das tecnologias, os golpes que utilizam redes sociais e aplicativos são alterados constantemente, tudo para adequar a abordagem aos usuários. Isso faz com que os golpes façam milhares de vítimas todos os meses.Segundo um levantamento feito pelo dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital da PSafe, mais de 473 mil brasileiros foram vítimas de golpes envolvendo o WhatsApp apenas em setembro. Isso faz com que, em média, 15 mil pessoas sejam vítimas por dia.Para te ajudar a não cair em um dos golpes aplicados atualmente, o Olhar Digital explica quais deles estão em alta e como se prevenir.Clonagem de WhatsAppSendo um dos mais populares, a clonagem do mensageiro faz com que os criminosos assumam a conta de um indivíduo para que apliquem golpes nos contatos das vítimas.O que os cibercriminosos fazem é o que os especialistas em segurança classificam como engenharia social, já que usam de manipulação psicológica para induzir alguém a compartilhar dados específicos, como informações pessoas, baixar aplicativos falsos ou abrir links que dão acesso ao aparelho.A abordagem mais comum é quando os criminosos se passam por alguma empresa – na maioria das vezes endereço em que os usuários têm de cadastrar números de telefone para vender algum item - e, ao entrar em contato com a vítima, informam que houve algum erro no cadastro na plataforma. Com isso, eles pedem que seja informado um código enviado por SMS para validar a informação.ReproduçãoMais de 473 mil brasileiros foram vítimas de golpes envolvendo o WhatsApp apenas em setembro. Foto: Rahul Ramachandram/ ShutterstockNo entanto, trata-se do código para cadastro do WhatsApp em um smartphone. Caso o usuário caia no golpe e informe a sequência numérica, o mensageiro é clonado e os criminosos têm acesso aos contatos para aplicar mais golpes.Em muitos casos, os indivíduos enviam mensagens para os familiares da vítima falando sobre um acidente ou problema envolvendo alguma quantia. Assim, inventando que iriam transferir o dinheiro de volta assim que possível, as pessoas emprestam achando se tratar do familiar.Para evitar ser vítima, em primeiro lugar, a autenticação de dois fatores deve estar sempre ativada, isso evita que o número seja registrado em outro aparelho – mas caso aconteça, é possível recuperá-lo. Outra precaução é nunca informar nenhum código que chegue por SMS. Geralmente, esses números são pessoais e intransferíveis.PhishingPode-se dizer que essa abordagem é um pouco mais profissional do que a citada anteriormente. Aqui, os criminosos também utilizam marcas famosas, mas com foco na distribuição de brindes e vantagens. O que acontece é que são disparadas mensagens em massa para diversos números. Elas, geralmente, solicitam que o usuário clique em um link e preencha um formulário ou instale um aplicativo específico. É com isso que as informações são roubadas ou os aparelhos invadidos.Esse golpe sempre se renova justamente por se aproveitar da sazonalidade. É bastante comum encontrar relatos de promoções falsas envolvendo datas como Páscoa, Dia das Mães e Natal. Por isso, é sempre bom ficar atento quando algumas dessas datas se aproxima.Para evitar ter as informações roubadas, é recomendado que o usuário nunca clique em nenhum link que possa parecer suspeito ou que ofereça muitas vantagens. Vale também sempre consultar as redes sociais das empresas citadas nas campanhas para verificar se a promoção de fato existe.Clonagem de SIMEmbora seja menos comum, essa abordagem é bastante complexa e tem um alto potencial destrutivo para quem for vítima. Isso porque o usuário não terá apenas o seu WhatsApp clonado, mas também tudo o que estiver relacionado ao chip.ReproduçãoCaso tenha o chip clonado, usuário pode perder acesso a vários aplicativos. Foto: justyle/ ShutterstockO golpe ocorre porque os criminosos conseguem cadastrar o número da vítima em outro SIM. Com isso, os atacantes assumem o controle em outro aparelho. Por conta de ser algo mais trabalhoso e sofisticado, geralmente essa abordagem ocorre em alvos direcionados.A partir do controle do número da vítima, pode ser possível acessar serviços de e-mail e redes sociais. Por isso, é sempre recomendado ativar a verificação de duas etapas em todos os aplicativos em que a funcionalidade está disponível.Oferecimento de cartões de crédito e empréstimosEsse golpe oferece mais uma vantagem para os usuários. Trata-se de mais um envio de mensagens em massa com o objetivo de coletar dados das vítimas. Normalmente, os criminosos se passam por funcionários de algum banco ou fintech e oferecem cartões de crédito sem análise de restrições e com limites bastante altos.Em alguns casos, há também a oferta de empréstimos tentadores, com valores elevados e juros baixos. No entanto, com a "assinatura da proposta", vem o golpe: para ter acesso ao dinheiro, é necessário pagar uma taxa de liberação. É aí que as pessoas são enganadas. Mesmo com o dinheiro pago, o valor nunca é depositado na conta do contratante.Como recomendação para evitar ser uma vítima, especialistas recomendam que o usuário sempre entre em contato com a central de atendimento do banco/ fintech para verificar a validade da proposta. Além disso, é bastante incomum que esse tipo de instituição faça contato por WhatsApp para oferecer esses serviços. Por fim, há uma lógica de crédito em que não há sentido pagar para se ter acesso a uma quantia, isso se aplica a esse caso.
✇ Livros - Google News

“A Rainha Perdida”: livro de Ana Cristina Melo retrata uma sociedade sem liberdade - AnaMaria

19 de Outubro de 2020, 19:15
“A Rainha Perdida”: livro de Ana Cristina Melo retrata uma sociedade sem liberdade  AnaMaria
❌